A luta SULP

Do outro lado do Atlântico, bem longe de nós, mas aqui tão perto, o povo brasileiro, através dos seus programas televisivos (novelas, documentários, programas de humor, entrevistas – nos canais generalistas e na TV Globo Portugal), através da sua música (Chico Buarque, Elis Regina, Bethânia, Milton Nascimento, Gal Costa, Tom Jobim, Vinicius de Morais, Caetano Veloso e ainda tantos outros), dos seus espectáculos de teatro e musicais que volta e meia aparecem por cá, da sua literatura (Jorge Amado, Machado de Assis, Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade e mais duas ou três, ou mesmo quatro mãos cheias de autores), através de tantos e tantos brasileiros que moram cá, da sua gastronomia,  um povo que que fala e escreve a mesma língua que nós, portugueses – tanto quanto os EUA e o Reino Unido – , com cores, sons, texturas e cambiantes diversos, mas língua portuguesa!

E ainda mais perto, através da Internet, e por coincidência de situações, perda auditiva e uso do português para comunicar, os meus companheiros SULP (Surdos Usuários da Língua Portuguesa), no Orkut http://www.orkut.com/Main#Community.aspx?cmm=78601181 e no blogue http://sulp-surdosusuariosdalinguaportuguesa.blogspot.com/, a tentar lutar pelos seus direitos, pelo exercício de uma cidadania activa, pelo acesso à cultura na televisão, no cinema, no teatro, nos museus, nos meios de transporte, em todos os locais de que outros cidadãos, iguais a eles, iguais a mim, no ser pessoa,  podem usufruir na sua plenitude, mas de que eles, como eu e muitos portugueses, se vêem privados devido às dificuldades auditivas e ao facto de se exprimirem em português.

E se nós nos queixamos por cá de tudo aquilo que ainda falta fazer em prol das pessoas com deficiência auditiva, utilizem ou não a língua portuguesa, utilizem ou não a língua gestual portuguesa, então leiam com atenção:

Comecemos pela televisão – estão a ver os desenhos animados e um ou outro filme que é dobrado em português? Pois, nós, deficientes auditivos, vemo-nos literalmente «às aranhas» para perceber o que é dito, ainda mais nesses, felizmente, poucos filmes, em que a posição dos lábios dos actores não corresponde ao que se ouve! Ok, mas no Brasil, todos os programas de origem não brasileira, documentários, filmes, séries, tudinho, são dobrados, portanto, ver televisão no Brasil, para quem não ouve ou ouve mal, é mentira! Nos cinemas, idem, legendas, não há para ninguém!

Museus com visitas guiadas…pois até parece que no Brasil  vai havendo alguns intérpretes de língua gestual (língua de sinais – Libras), mas e se a pessoa não sabe língua gestual? Pois é! Teatro, lá como cá, ou se ouve bem, ou então, chapéu! Ah, cá em Portugal, se tivermos a sorte de ir ver -exactamente, ir VER– um musical estrangeiro, às vezes há legendas do que é cantado…em inglês, claro!! Então e se o deficiente auditivo não sabe inglês? Azar!….

Transportes públicos – nós queixamo-nos mas, pelo menos no metro o nome das paragens aparece escrito um pouco antes. Lá…já imaginaram, não é? Parece que as carruagens novas começaram agora a ter um sistema idêntico ao nosso, mas daí até toda a rede estar coberta…

Conferências, seminários, reuniões, nem cá nem lá!

Portanto, feitas as contas – e a procissão ainda só agora vai no adro – parece que no Brasil ser deficiente auditivo implica também o não ver televisão, não ir ao cinema, não ir ao teatro, não ir a um espectáculo musical (e os surdos gostam de música, sim, ainda que a oiçam e sintam de modo diferente!), não entrar em museus, não andar em transportes públicos, não participar em colóquios, conferências… Parece, não, é mesmo isso! O acesso a manifestações culturais é muitíssimo limitado – sim, se sabem ler, podem ler; sim, podem ir à mesma a museus, se lerem as tabuletazinhas com indicações e ignorarem tudo o que não seja ou imagem ou texto escrito; sim, podem ir à praia, aqueles que estão perto e gostam; sim, se pedirem ajuda a alguém, claro que podem usar transportes públicos! Agora, pense bem: gosta de ver televisão? Gosta de cinema? Gosta de espectáculos musicais e outros? Sim? Não? Certo, você tem o direito de gostar ou não, de ir ou não ir. E os surdos? Onde está o direito deles a poderem dizer que até não gostam de cinema e que é por isso que não vão?

A maior parte das pessoas com dificuldades auditivas, tanto cá, como lá, usa a língua portuguesa (escrita e/ou oral) no dia-a-dia. Falo de surdos severos e profundos oralizados, de crianças e jovens que perderam audição quando já falavam (e escreviam e liam, muitas vezes), de adultos mais velhos que foram perdendo gradualmente a audição, devido ao passar do tempo e, ainda, de todos aqueles que, como eu, adquiriram surdez em idade activa. Por que razão, então, excluí-los? Do mesmo modo, porque defendo o direito de cada um (ou dos seus pais, no caso das crianças) à escolha pessoal do seu modo de comunicação, por que motivo excluir os surdos falantes de língua gestual?

Há ainda um looooongo caminho a percorrer na inclusão dos cidadãos com deficiência ou necessidades especiais na sociedade, apesar de algumas leis (poucas, e muitas delas em pouco se aplicam aos surdos ou que prevêem medidas relativamente a eles), apesar de tantos discursos politicamente correctos da parte de políticos e outros.

Acredito, porém, que se os cidadãos em causa se unirem e batalharem activamente, poderão conquistar não privilégios, mas o direito ao exercício efectivo da sua cidadania. Se apenas nos queixarmos e nada fizermos…mais vale esperarmos sentados!

E você que está a ler-me? Por acaso é cidadão brasileiro? Mora no Brasil? Já foi visitar a comunidade e o blogue SULP? Tem deficiência auditiva ou conhece alguém que tenha? Já fez a sua parte? Já foi ler o manifesto SULP  http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/3657 e já o assinou? Já se tornou membro dos SULP? E já fez algo de concreto enquanto tal? Sim, ok, continue, está no bom caminho! Não? Está à espera de quê? De que outros iguais a si façam todo o trabalho que você também quer ver feito?

Retomando o slogan de uma companheira SULP «PRECISAMOS DE AÇÃO E NÃO DE LAMENTAÇÃO!!!!!».

Sim? Pode repetir e mais devagar, por favor? Ah, porque é que «acção» só tem um /c/? Ó amigo, no Brasil é assim que se escreve…e aqui dentro de pouco tempo também, é hora de se habituar à mudança!!!

~ por imisal - PORTUGAL em 10/07/2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: