Enfrentar o Desafio

No site da IHHA (Irish Hard of Hearing Association), associação irlandesa de defientes auditivos, encontrei um texto um pouco longo, mas com conselhos práticos muito úteis para pessoas com problemas de audição, pelo que fiz um resumo que apresento de seguida:

 

ENFRENTANDO O DESAFIO

A perda de audição tem consequências a vários níveis, tanto em situações mais práticas do quotidiano, como a nível emocional e psicológico e, ainda na relação com os outros.

O impacto da perda auditiva tem a ver não só com o grau da perda, mas com o modo como a pessoa lida com essa perda e neste texto surgem ideias que podem ajudar no dia-a-dia, embora cada pessoa deva encontrar as estratégias que mais lhe convêm:

 

Factores psicológicos e emocionais: é comum a frustração em situações de reunião com muitas pessoas ou sempre que há ruído de fundo, pela dificuldade ou impossibilidade de participar e de seguir as conversas, o que provoca normalmente o isolamento e o evitamento de reuniões sociais. Quando se conseguem partilhar os sentimentos com a família ou os amigos, ou até através de psicoterapia, torna-se menos difícil enfrentar essas situações.

 

Tirar partido da tecnologia: dada a constante evolução a nível de ajudas auditivas é aconselhável consultar periodicamente o audiologista para ver se as próteses auditivas utilizadas continuam a ser as mais eficientes e estar a par das novidades no que toca a meios de apoio à escuta. Neste aspecto, para além do audiologista, a internet e revistas especializadas podem ajudar.

 

Acompanhar a actualidade: dado que o conhecimento do contexto é muito importante na compreensão do que é dito é conveniente a leitura de jornais, o acompanhamento de jornais televisivos (com legendagem, nos casos em que é possível e necessário) e das notícias pela internet, uma vez que uma grande parte das conversas recai normalmente sobre assuntos da actualidade.

 

Meios alternativos de comunicação: por vezes a aprendizagem da leitura labial é uma mais-valia na interacção verbal com os outros. A troca de experiências com outras pessoas com problemas de audição também é importante pela recolha de sugestões para facilitar a compreensão da fala.

 

Pragmatismo diário arranjar um despertador vibratório; montar um sistema de alerta vibratório ou de luzes ligado à campainha da porta e ao telefone; peça a quem lhe telefona para falar pausadamente e de modo claro; utilize as sms e os emails; tente aprender a fazer leitura labial; pata conversar com alguém, escolha um ambiente calmo; utilize o teletexto da sua televisão; quando vai às compras, olhe para a caixa registadora ou peça ao funcionário para escrever a quantia.

 

Convívio social: são momentos difíceis para quem tem dificuldades auditivas, mas é importante tentar conviver com os outros e não cair sempre na tentação de evitar estas situações:

  • idas a restaurantes: procure ir mais cedo que a hora habitual de jantar, quando há menos pessoas, e vá só com 2 ou 3 pessoas;
  • numa reunião social, quando há muito barulho, procure um amigo e converse com ele num local mais calmo ou na rua durante uns momentos;
  • falar e andar ao mesmo tempo: ande um pouco, pare e fale, ande mais um pouco…
  • para saber qual é o assunto de uma conversa, nada melhor do que ser você a começá-la;

 

Trabalho: se há empregos em que não é necessário lidar com muitas pessoas nem falar ao telefone, já noutros casos o local de trabalho pode tornar-se fonte de stress. A nível legal há recomendações para tomar medidas facilitadoras para pessoas com deficiência, embora na prática isso nem sempre aconteça. É importante partilhar as suas necessidades com chefes e colegas de trabalho, de forma a tentar encontrar soluções. Algumas medidas simples de pôr em prática: avisos importantes por escrito, minutas/actas de reuniões rapidamente acessíveis, colocação da secretária num local sossegado e iluminado, pequenos intervalos periodicamente.

 

Viagens: confirmar que sabe os horários do meio de transporte, o local de embarque, a paragem/o local de saída, o número do lugar e da carruagem, prever tempo para eventuais atrasos, procurar as placas com indicações, ter um mapa, levar papel e caneta para escrever.

 

Relacionamentos: a perda auditiva tem impacto na pessoa que a possui, no(a) companheiro e na relação dos dois, pela dificuldade em perceber o que o outro disse e em actuar da forma esperada, porque as conversas se reduzem essencial, porque a vontade de estar em eventos sociais não é igual nos dois, porque o parceiro se cansa de repetir o que diz, porque os filhos têm tendência a dirigir-se ao cônjuge ouvinte. É importante que os sentimentos sejam partilhados e que se procurem soluções juntos.

 

Atitude positivafazer uma lista  dos aspectos positivos da sua vida, tudo aquilo que consegue fazer e que lhe dá prazer, apesar da sua deficiência auditiva.

 

Relaxe: tente descansar do stress que as dificuldades auditivas lhe provocam, a nível pessoal, social e profissional. Faça coisas que lhe dão prazer!

 

IN:http://ihha.ie/index.php?option=com_content&task=view&id=5&Itemid=27

~ por imisal - PORTUGAL em 09/06/2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: